Bookmark and Share

PORTUGAL

Blessed Paul VI was a pilgrim to Fatima in 1967. Pope Saint John Paul II was a pilgrim to Portugal in 1982, for the Feast of Our Lady of Fatima (1 year after the assassination attempt on his life), in 1991 (10th anniversary of the assassination attempt) and in 2000 for the beatification of the visionaries Francisco and Jacinta. Papa Benedict XVI came on pilgrimage to Portugal in 2010.

There are Totus2us audio recordings on Our Lady of Fatima and the Portuguese Saint Anthony of Padua, on whom Papa Bento XVI has also given a beautiful catechesis.

Here below are responses to Totus2us podcasts given by Portuguese people
- muito obrigado a todos vocês   ♥

To download the free mp3 Totus2us audio recordings individually, right/double click on the play buttons.  
Para baixar as gravações livres de áudio mp3 individualmente, direito/duplo clique sobre as teclas do jogo.

Orações em Português no Totus2us

Divina Misericórdia Terço e Novena    
Via-Sacra - orações do Cardeal Joseph Ratzinger (Papa Bento XVI)    

Ato de Confiança a Nossa Senhora de Fátima

Papa João Paulo II - 13 de Maio de 1991

“Santa Mãe do Redentor, Porta do céu, Estrela do mar,
socorrei o Vosso povo que anela por erguer-se!”
Uma vez mais nos dirigimos a Vós, Mãe de Cristo e Mãe da Igreja,
ajoelhados a Vossos pés aqui na Cova da Iria,
para Vos agradecer por tudo quanto fizestes nestes anos difíceis pela Igreja,
por cada um de nós e pela humanidade inteira.

Monstra te esse Matrem!” Quantas vezes Vos invocámos!
E hoje aqui estamos a agradecer-Vos, porque sempre nos escutastes.
Vós mostrastes ser Mãe:
Mãe da Igreja, missionária pelos caminhos da terra
preparando-se para o Terceiro Milénio cristão;
Mãe dos homens pela constante protecção que nos livrou
de tragédias e destruições irreparáveis
e favoreceu o progresso e as conquistas sociais dos nossos dias.

Mãe das Nações, pelas mudanças inesperadas que restituíram
a confiança a povos longamente oprimidos e humilhados;
Mãe da vida, pelos múltiplos sinais com que nos acompanhastes defendendo-nos do mal e do poder da morte;
Minha terna Mãe de sempre, mas de modo particular naquele 13 de Maio de 1981
em que senti junto a mim a Vossa presença salvadora;
Mãe de todo o homem, que luta pela vida que não morre.
Mãe da humanidade resgatada pelo Sangue de Cristo.
Mãe do amor perfeito, da esperança e da paz, Santa Mãe do Redentor.

Monstra te esse Matrem!” Sim, continuai a mostrar-Vos Mãe para todos,
porque o mundo tem necessidade de Vós.
As novas situações dos povos e da Igreja são ainda precárias e instáveis.
Existe o perigo de substituir o marxismo por uma outra forma de ateísmo,
que adulando a liberdade tende a destruir as raízes da moral humana e cristã.
Mãe da esperança, caminhai connosco!
Caminhai com o homem deste fim de século,
com o homem de toda e qualquer raça e cultura, de qualquer idade e condição.
Caminhai com os povos para a solidariedade e o amor,
Caminhai com os jovens, protagonistas de futuros dias de paz.
Têm necessidade de Vós as Nações que recentemente readquiriram o seu espaço vital
de liberdade e estão agora empenhadas na construção do seu futuro.
Tem necessidade de Vós a Europa que do Leste ao Oeste não pode reencontrar
a sua verdadeira identidade sem redescobrir as suas raízes cristãs comuns.
Tem necessidade de Vós o mundo para resolver os numerosos e violentos conflitos que ainda o ameaçam.

Monstra te esse Matrem!” Mostrai que sois Mãe dos pobres,
de quem morre de fome e sem assistência na doença,
de quem sofre injustiças e afrontas, de quem não encontra trabalho, casa nem abrigo,
de quem é oprimido e explorado de quem desespera ou em vão procura o repouso longe de Deus.
Ajudai-nos a defender a vida, reflexo do amor divino, ajudai-nos a defendê-la sempre,
desde o alvorecer ao seu ocaso natural.
Mostrai-Vos a Mãe da unidade e da paz.
Cessem por todo o lado a violência e a injustiça, cresçam nas famílias a concórdia e a unidade,
e entre os povos o respeito e o diálogo; reine sobre a terra a paz, a paz verdadeira!
Ó Virgem Maria, dai ao mundo Cristo, nossa paz!
Que os povos não reabram novos fossos de ódio e vingança;
que o mundo não ceda à ilusão de um falso bem-estar que avilta a dignidade da pessoa
e compromete para sempre os recursos da criação.
Mostrai-Vos a Mãe da esperança! Velai sobre a estrada que ainda nos espera.
Velai sobre os homens e sobre as novas situações dos povos ainda ameaçados por riscos de guerra.
Velai sobre os responsáveis das Nações e sobre todos os que regem os destinos da humanidade.
Velai sobre a Igreja sempre tentada pelo espírito do mundo.
Velai, em particular, pela próxima Assembleia especial do Sínodo dos Bispos,
importante etapa no caminho da nova evangelização na Europa.
Velai sobre o meu ministério petrino, ao serviço do Evangelho e do homem
rumo às novas metas da acção missionária da Igreja. Totus tuus!

Em unidade colegial com os Pastores, em comunhão com todo o Povo de Deus,
espalhado pelos quatro cantos da terra, também hoje Vos renovo a consagração filial do género humano.
A Vós, com confiança, todos nos consagramos. Convosco queremos seguir Cristo, Redentor do homem:
que o cansaço não nos abata, nem a fadiga nos desalente,
as dificuldades não extingam a coragem nem a tristeza, a alegria no coração.
Vós, ó Maria, Mãe do Redentor, continuai a mostrar que sois Mãepara todos,
velai sobre o nosso caminho, fazei com que vejamos, cheios de alegria,
o Vosso Filho no Céu. Amém!

JPII, 13 May 1991 - in  Italian & Portuguese - © Copyright 1991 - Libreria Editrice Vaticana

Angelo      

"Mary has been with me since day one. Mary is my godmother, she's always with me.

Maria é minha madrinha. Ela está sempre comigo."

Chantal      

"I forgot a little bit about Our Lady until I was taken by the scruff of my neck. She didn't forget about me, I was her child, a child of Mary in my childhood. So she took me to Medjugorje and then she taught me about her love for me, and I learnt to love her there. Loving her has drawn me to her son, has drawn me to Jesus."

Dina Maria      

"Our Lady to me represents a mother and a good friend."

Frederico      

"To me, Mary is the best example of trust and how to give ourselves to the other. She is the Mother of God and our mother."

Frederico gives his algo sobre Maria in English & Portuguese.

João      

"It gives me tremendous delight and courage to think about the yes that Maria said - the fiat that is what is asked from us all - and she was so committed to the very end."

Joao Paulo      

"So I decided that year (2007) to go to the shrine of Fatima, to the shrine of Lourdes and to shrine of Our Lady of Medjugorje. And I said 'This time I'm going as a pilgrim and not as a tourist.' And since that moment my life has completely changed, 100%. From that moment I start looking for Mary, for Jesus, for God - all my life completely changed. After my first visit to Lourdes (which was so beautiful as well - I received so many graces there), I went to Medjugorje for the first time and Medjugorje was an experience I will never forget. First time I went there, I came back full of faith and first thing was - I have to go to Mass more often. Suddenly, after 6 months, I was going to Mass daily. After being 7 years away from Mass, I start going to Mass daily, which was a very, very big grace. Since then I start reading the books of the saints: Padre Pio, Mother Teresa, St Thérèse of Lisieux, St Teresa of Avila, and this is so much graces being given to me. Also I learned so much, because Our Lady, it's amazing what Our Lady does. It's like, this year, I went to the Youth Festival in Medjugorje. After 1 week, I was thinking 'But I haven't spent a minute with Our Lady yet? What's happening? I've been to the church, I've been in front of the tabernacle a lot of times, but what's happening? Then something touched my heart and said 'I'm calling you not to me but I'm calling you to Jesus - that's why I'm calling you to Medjugorje.'  When we go to Medjugorje the visionaries are there, but straight away we feel a call to go Jesus, not to go to the visionaries, not to go to Our Lady, because Our Lady is always calling us to come back to her son Jesus, who loves us so much. For me so far, Medjugorje is just an amazing grace that happened in my life. Our Lady is coming to us, to our rescue, she's inviting us to come back to Jesus."

José María      

"It’s been a very special grace being brought up in a place like Fatima, where Our Lady of Fatima appeared. Everyone that has been at Fatima has surely felt the motherly atmosphere and security, safety, in that place because, well, that's what it was all about: Our Lady being made known by three little humble children."

José María gives his something about Mary in English & Portuguese.

Josefa      

"Mary, she means just so much. She's just more than inspiration for all of us. She's the queen of love, the queen of mothers, she's our strength, she's the star."

Joséfa gives her something about Mary in English & Portuguese.

Lucia      

"Our Lady is our mother.
Nossa Senhora é nossa mãe."

Maria      

"I don't think there are words to describe what is Holy Mary for me.  She is my guide, my best friend, the one to whom I pray and I share with her in my moments of sadness, and not only sadness - I think I have always Holy Mother in my heart."

Maria      

"It's difficult to explain about Mary: there's like hope, someone there to pick me up."

Maria      

"Our Lady is very important in my life."

Maria-Anna      

"In the Bible I find Christ Himself alive, speaking directly to my heart. I think that it's easy to look at the Bible just as an old book with beautiful words and really wise advice, which it is, but it's really more than that. It is a personal encounter with God and through that, it's also really an encounter with myself. I've had very concrete experiences of this in my life, in a particular moment of crucial decisions, the Word of God in the Bible was really the only light pointing at the truth, of the truth of who I am and who I was created to be, and it was really important in making the right decisions. And in my daily life I can see God working in me through His words, because it is Christ Himself present and showing me His love and the right decisions to take."

Maria-Antonia      

"I can't live without being close to Mary, to protect me.  She's like my mother, so anything I need I go and ask her."

Maria-Antonia gives her algo sobre Maria in English and Portuguese.

Marie-Antonia      

"For me Our Lady is first of all Our Lady of Fatima. Who is Our Lady of Fatima? She is a mother, and she is a protector and someone we turn to when we have no-one else to turn to in life."

Marie-Antonia gives her algo sobre Maria in English & Portuguese.

Maria-Olivia      

"I love very much to pray to Our Lady of Fatima because when I want to help the people I always pray for all my family and for my friends, for everybody, all the world. I feel so good, I feel so my heart nice inside when I am with Our Lady in Fatima."

Maria-Olivia gives her something about Maria in English & Portuguese.

Maria-Teresa       

"For me, Mother Mary is our mother of all of us Christians and of mankind; she is the mother of Jesus Our Lord and she guides us to him. She takes care of us during our lifetime in this world, and we can always come to her to ask her for her help when we are troubled, when we have doubts, when we are going down with temptation, in all the very difficult situations we can call on her to help us because she wants our salvation to come in the communion of the Trinity: with the Father, the Son and the Holy Spirit. And she's a mother who cares the whole time for us and takes care of us, so we can call on her whenever we want and we must trust in her to help us."

Maria-Teresa gives her algo sobre Maria in English & Portuguese.

If you'd like to give your something about Mary,
please do get in touch with the Totus2us team

- as well as hopefully bringing you joy,
you'd be really helping Totus2us   ♥

Totus tuus ego sum et omnia mea tua sunt.
Accipio te in mea omnia. Praebe mihi cor tuum, Maria. - St Louis de Montfort

Blessed John Paul II took his motto Totus Tuus from this quote.

"I am totally yours and all that I have is yours.
I accept you for my all. O Mary, give me your heart.”

Papa João Paulo II's reflections about his 1982 pilgrimage to Fatima
Audienciz Geral, Quarta-feira, 19 de Maio de 1982 - in Italian, Portuguese & Spanish

Fátima foi o ponto culminante da minha peregrinação

"1. De 12 a 15 do corrente mês de Maio foi-me dado, com a ajuda de Deus, realizar a peregrinação a Portugal, aceitando o convite já bastante antes recebido, por parte tanto do Presidente da República e das Autoridades governementais, como do Episcopado e da Igreja naquele País de grande tradição católica.

A finalidade da peregrinação era, primeiro que tudo, Fátima, aonde me sentia chamado de modo particular em seguida ao atentado contra a minha pessoa, a 13 de Maio do ano passado. Já muitas vezes disse que só a misericórdia de Deus e a particular protecção da Mãe de Cristo devo a salvação da minha vida e a possibilidade do ulterior serviço à Sé de Pedro. Em segundo lugar, essa peregrinação, assim como as outras, permitiu-me reforçar, mediante a visita à Igreja em Portugal, aqueles laços de unidade com que desde o princípio ela está unida à Igreja universal por meio da comunhão com o Bispo de Roma: esses mesmos laços encontrei-os muito vivos e muito cordiais no decurso da minha visita.

2. A peregrinação a Fátima era uma necessidade do coração e, ao mesmo tempo, uma manifestação do caminho seguido pela Igreja no fim do século que está a decorrer, como Povo de Deus ligado à humanidade inteira com o sentido de uma particular responsabilidade para o mundo contemporâneo.

A mensagem que no ano 1917 partiu de Fátima, considerada à luz do ensino da fé, contém em si a eterna verdade do Evangelho, como particularmente aplicada às necessidades da nossa época.

O convite à conversão e à penitência é a primeira e fundamental palavra do Evangelho. Nunca está sujeita à prescrição, e no nosso século assume dimensões particulares diante da crescente consciência da luta mais que nunca profunda entre as forças do bem e do mal no nosso mundo humano. Este é também o ponto central da solicitude da Igreja como testemunho as vozes dos Pastores que indicaram "a reconciliação e a penitência" como o tema mais actuai, confiando por isso tratá-lo à próxima Sessão do Sínodo dos Bispos.

A ameaça por parte das forças do mal provém em particular dos erros difundidos precisamente no nosso século, erros que se apoiam na negação de Deus e tendem a separar de todo d'Ele a humanidade, organizando a vida humana sem Deus e mesmo contra Deus. No coração mesmo da mensagem que saiu de Fátima no principio do nosso século, encontra-se uma penetrante chamada de atenção contra esses erros. As palavras simples, dirigidas a simples crianças do campo, estão cheias do sentido da grandeza e da santidade de Deus, e do ardente desejo da veneração e do amor devidos unicamente a Deus.

Daqui também o convite a aproxi-marmo-nos de novo desta Santidade Misericordiosa mediante o acto de consagração. O Coração da Mãe de Cristo, que está mais perto da fonte desta Santidade Misericordiosa, deseja aproximar dele todos os corações: cada homem e a humanidade inteira, cada Nação e o mundo todo.

3. Não se pode deixar de receber sempre de novo esta graça e este convite. Foi o que realizou há quarenta e três anos o Papa Pio XII. Paulo VI apelou para o acto do seu Predecessor primeiro durante o Concílio, depois durante a sua peregrinação a Fátima no ano de 1967. Além disso, desde o tempo do Concílio começou a invocar Maria com o título de Mãe da Igreja, o que encontrou expressão também na Profissão de Fé (Credo) do Povo de Deus.

O Concílio desenvolveu a consciência da Igreja, referindo-se, nà Constituição dogmática Lumen gentium, à Mãe de Deus como Mãe e Figura da Igreja. Dado que o mesmo Concílio desenvolveu também a consciência da responsabilidade da Igreja quanto ao mundo, ela vai buscar impulso ao terreno do magistério conciliar, como nova necessidade de manifestar essa responsabilidade no acto de entrega à Mãe de Deus.

Eis, nas linhas principais, os pensamentos-guias da minha peregrinação a Fátima, que encontraram a expressão a 13 de Maio tanto nas palavras da homilia como também no acto final de consagração. Procurei fazer tudo o que nas circunstâncias concretas se podia fazer, para salientar a unidade colegial do Bispo de Roma com todos os Irmãos no ministério e serviço episcopal do mundo.

4. Mediante a peregrinação a Fátima, visitei também a Igreja que está na terra portuguesa, no seu ponto culminante. Ainda lá, em Fátima, encontrei-me primeiro com o Episcopado de Portugal e depois com os Eclesiásticos: sacerdotes diocesanos e religiosos, irmãs e irmãos das diversas Congregações religiosas, e por fim seminaristas e noviços. Foi esse um lugar muito adequado, para que os nossos encontros pudessem atingir a dimensão de Portugal inteiro.

Fátima, todavia, é na vida da Igreja e da sociedade um fenómeno relativamente recente: no conjunto faz parte do nosso século. Pelo contrário, a Igreja e a Nação têm um passado plurissecular, que remonta aos tempos romanos e à cristandade primitiva, e depois, em seguida ao período da invasão árabe, há mais de oito séculos, tem o próprio passado português bem definido no que se refere à identidade histórica.

O Cristianismo levado de Roma lançou aqui raízes profundas e deu no decurso dos séculos multíplices frutos no que se refere ao testemunho da fé e do amor cristão. As manifestações deste testemunho são sempre bem visíveis em Portugal inteiro, na cultura e no costume social deste País. É difícil recordar aqui todos os testemunhos e todas as figuras que fazem parte da história da Igreja e da Nação, em Portugal. Nomeio apenas Santo António, conhecido como António de Pádua, mas nascido em Lisboa, em Portugal e educado em terra portuguesa. Precisamente o 750° aniversário da morte deste Santo constituiu ainda um dos motivos da peregrinação à terra que foi a sua Pátria.

5. Um sector particular dos frutos da Igreja em Portugal é a grande e plurissecular actividade missionária. Ela acompanhava a par e passo as viagens e os descobrimentos. Basta recordar que a língua portuguesa é falada não só no Brasil inteiro, mas também nalguns Países da África e mesmo do Extremo Oriente: complexivamente mais de 150 milhões de homens, enquanto o número actual dos cidadãos de Portugal não vai além de 10 milhões. A língua portuguesa é uma das línguas mais "faladas" na Igreja católica.

6. Sobre todos estes aspectos do passado plurissecular e da rica contemporaneidade, foi-me dado meditar ao longo do percurso da minha visita a Portugal, depois de terminar a peregrinação a Fátima. O caminho levou-me sobretudo a Lisboa, que é a cidade maior, sede do Patriarca e centro da vida civil nacional e eclesiástica. E em seguita levou-me para o sudeste de Lisboa, e depois, para o norte: Coimbra, Braga, Porto.

Cada um destas etapas, em que me encontrei pela primeira vez na minha vida, abriu diante dos meus olhos novos elementos da grande herança lusitana de fé e de cultura e, ao mesmo tempo, um nova dimensão de vida contemporânea da Igreja e da Nação portuguesa.

Quase todos os lugares visitados possuem um santuário mariano: assim, Vila Viçosa, na Arquidiocese de Évora, tem o Santuário da Rainha de Portugal; Braga, no norte, o maravilhoso Santuário do Sameiro, situado num monte, onde se realizou o encontro com os Cônjuges; a cidade do Porto, ainda (a segunda depois de Lisboa no que se refere à extensão), desde, há séculos que se chama "Terra de Santa Maria". Como se vê por tudo isto, o terreno em que Fátima cresceu, no nosso século, foi preparado por gerações inteiras.

7. Seguindo o programa pastoral do Episcopado português procurei, por ocasião dos encontros principais, tocar os temas que na vida da Igreja e da sociedade eram de particular actualidade. Procurei igualmente para esta temática um apoio na palavra Divina da liturgia e no ensinamento da Igreja, de modo particular no ensinamento social.

Em Lisboa, perante uma enorme assembleia, toquei o problema da juventude e das vocações (os participantes mais numerosos na liturgia eram justamente os jovens da capital e da arquidiocese).

Em Vila Viçosa falei do trabalho do campo no quadro da liturgia da palavra, dado o carácter agrícola de toda a região do Sul.

Em Coimbra, o inesquecível encontro com professores e estudantes da Universidade mais antiga deu-me a oportunidade de me dirigir ao mundo da ciência e da cultura em Portugal.

Em Braga (Santuário do Sameiro), o tema geral foi dedicado ao matrimónio e à família, no quadro da liturgia eucarística.

Por fim, no Porto: o tema foi o do trabalho na indústria e nas outras profissões.

8. Conservo profundamente no coração todos estes intensos encontros com os meus irmãos e irmãs, que formam a Nação e a Igreja em terra portuguesa. Agradeço a Deus, por intercessão de "Santa Maria", tudo o que foi feito para preparar esta visita — e tudo o que, pela graça de Deus, se tornou o seu fruto.

Agradeço aos homens tanto amor e compreensão.

A todos a minha reconhecida bênção."

Saudações .....

"Caríssimos peregrinos e ouvintes de língua portuguesa
Após a minha peregrinação a Portugal, é-me grato saudar hoje, com afecto em Cristo, os Portugueses presentes, os seus compatriotas, e manifestar-lhes o júbilo, que me vai na alma, e reconhecimento, pela maneira digna como acolheram o Sucessor de Pedro e viveram a sua visita pastoral a terras portuguesas. Bem hajam! Saúdo igualmente os demais - também os grupos provenientes do Brasil.

Fátima foi o ponto culminante dessa peregrinação. Aí fui render graças a Deus - com Maria, Mãe de Cristo - pela Sua misericórdia, ao salvar-me a vida no ano passado, possibilitando-me continuar a servir a Igreja na Sé de Pedro. Mas fui também responder, mais uma vez, ao apelo da “Senhora da Mensagem”, daí lançado há sessenta e cinco anos, com sentido da responsabilidade da Igreja pelo mundo contemporâneo; por isso, aí renovei, em união colegial com os Bispos do mundo, o acto de entrega confiante, pelo Coração Imaculado de Maria, do mesmo mundo e dos Povos mais necessitados, a Deus omnipotente e misericordioso.

Guiou esta minha visita pastoral, como é óbvio, também o desejo de reforçar os laços de unidade - que encontrei vivos e cordiais - na Igreja universal, daquela sua parcela que está em Portugal; aí estruturada de há vários séculos, ela realizou pelo mundo uma admirável obra missionária, pela qual quis testemunhar o apreço e gratidão de toda a Igreja. Fui também para celebrar e honrar os seus Santos, em Santo António de Lisboa, neste ano de comemorações centenárias.

Fui para estar com a Igreja viva, encontrando-me com as suas componentes - Pastores e diversos grupos de fiéis - para a confirmar e estimular; e fui também ao encontro do homem concreto, procurando levar-lhe a mensagem de Cristo, Redentor do homem e do mundo.

Percorri um itinerário “mariano”, na Terra de Santa Maria; por Ela, por Nossa Senhora, dou graças a Deus por tudo; e agradeço também aos homens, por tanto amor e compreensão, desejando-lhes todo o bem, com a Bênção Apostólica."

Papa John Paul II's words ahead of his 1982 pilgrimage to Fatima
General Audience, Wednesday 12 May 1982 - in Italian, Portuguese & Spanish

Intensifiquem a própria devoção a Nossa Senhora

"Caríssimos Irmãos e Irmãs
1. Sede bem-vindos! Tenho a alegria de poder encontrar-me convosco também nesta manhã, antes de empreender a peregrinação a Fátima, em Portugal, aonde espero chegar esta tarde para estar naquele Santuário amanhã, aniversário da primeira aparição de Nossa Senhora no já longínquo 1917, e aniversário do acontecimento, para mim particularmente significativo, que se verificou nesta Praça a 13 de Maio de 1981.

Saúdo-vos a todos cordialmente e, ao mesmo tempo, invoco sobre cada um os dons de alegria e de paz, que trouxe ao mundo Cristo ressuscitado, convido a unirdes-vos comigo na oração, para obter de Deus copiosas bênções para esta viagem apostólica, que me levará no meio de um povo de antiga e profunda. tradição católica, que ofereceu, no decorrer dos séculos, tantos expressões vivas dé civilização e de santidade.

Vou ao encontro dos generosos filhos de Portugal, impelido pelo desejo de testemunhar a minha estima e o meu afecto e, ao mesmo tempo, de "lhes comunicar alguma graça espiritual, a fim de os fortalecer", (cf. Rom 1, 11). Vou, em particular, como peregrino de fraternidade e de paz, à terra que a Virgem escolheu para lançar ao mundo o seu veemente apelo à oração, à conversão e à penitência.

2. Não é, de facto, só para exprimir a minha gratidão a Nossa Senhora que me dirijo a Fátima em peregrinação. Vou àquele lugar abençoado, também para escutar novamente, em nome da Igreja inteira, a Mensagem que ressoou há 65 anos nos lábios da Mãe comum, preocupada com a sorte dos seus filhos. Aquela mensagem revela-se hoje mais actual e mais urgente que nunca. Como não nos sentirmos de facto perplexos, diante da invasão do secularismo e do permissivismo, que tão gravemente armam ciladas aos valores fundamentais da norma moral cristã?

Oprime-nos, além disso, a triste visão de tantos irmãos e irmãs que na terra morrem de fome, de doença e de droga; amargura-nos verificar a fascinação tenebrosa que ainda exercem sobre o coração humano as várias formas de violência; perturba-nos, em especial, ter de reparar na facilidade com que, ainda hoje, se vai cedendo à ilusão de poder nascer da guerra uma paz justa e duradoura. Quando chegarão os homens a compreender que a dignidade deles é degradada todas as vezes que não se faz tudo o que é possível para triunfar e reinar, entre os Povos e e as Nações, a paz?

Com estes pensamentos e com estas ansiedades no coração, ajoelhar-me-ei aos pés de Maria, para implorar a sua intercessão maternal e oferecer-lhe, ao mesmo tempo, em nome de todos os filhos da Igreja, a promessa da oração, do arrependimento e da reparação. Alimento a confiança de que este meu gesto consiga despertar nos crentes um renovado sentimento de responsabilidade, levando cada um a interrogar-se lealmente sobre a própria coerência com os valores do Evangelho.

Ao conceder agora a minha Bênção a vós aqui presentes e a quantos vos são queridos, todos exorto a que intensifiquem a própria devoção a Nossa Senhora, especialmente durante este mês de Maio, que a piedade dos fiéis quis a Ela consagrar.

Exorto que me acompanheis com as vossas orações."

Oração à Rainha da Polónia / 16

"Tu és a honra do nosso povo" (Jdt 15, 10). "Perante os sofrimentos e a angústia do teu povo, / não poupaste a tua vida, / mas salvaste-nos da ruína na presença do nosso Deus" (Jdt 13, 25).

Amanhã, 13 de Maio, ser-me-à dado pronunciar estas palavras do Livro de Judite, durante a celebração litúrgica em Fátima.

As palavras do Livro de Judite são recitadas em Jasna Góra e em toda a Polónia, na solenidade de Maria Rainha da Polónia.

Constituem para mim, durante a peregrinação a Fátima, como um forte vínculo com o jubileu de Nossa Senhora dos Montes Claros deste ano.

Aquela que é "honra esplêndida da nossa gente" nos ajude a suportar com a devida dignidade toda a humilhação se oponha à destruição do que é verdadeiro, bom e nobre no nosso passado e no presente.

Saudação

"Saúdo com particular afecto, hoje, os presentes e ouvintes de língua portuguesa, especialmente os fiéis de Portugal!

Estou prestes a partir, como peregrino, para Fátima. Vou agradecer a Nossa Senhora ter-me conservado a vida, no dia treze de Maio do ano passado; acolher novamente o apelo da mensagem de Maria Santíssima em Fátima à oração, à conversão e à penitência; exprimir ao querido povo português a minha estima e apreço pela grande obra missionária de que foi protagonista e, se possível, comunicar-lhe algum dom espiritual.

Peço que me acompanheis nesta viagem com orações. E dou-vos a Bênção Apostólica."